• LL Advogados

Responsável pelos pareceres sobre pedidos de incentivos fiscais no RJ, CPPDE muda Regimento Interno


Responsável pelos pareceres sobre pedidos de incentivos fiscais no RJ, CPPDE muda Regimento Interno

Em 26/05/2021, foi publicado o Decreto Estadual nº 47.618, por meio do qual o Governador do Estado do Rio de Janeiro aprovou o novo Regimento Interno da Comissão Permanente de Políticas para o Desenvolvimento Econômico Estadual (CPPDE), disciplinando a sua composição, o seu funcionamento e as suas atribuições, em conformidade com as disposições da Lei nº 8.445/2019 e do Decreto nº 47.201/2020.


A CPPDE será integrada pelo titular, ou representante por ele indicado, da Secretaria de Estado de Fazenda, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia e Relações Internacionais e da Secretaria de Estado da Casa Civil.


A Comissão se reunirá mensalmente sob a presidência do Secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia e relações internacionais do Estado do Rio de Janeiro, podendo, em casos de necessidade, renuir-se extraordinariamente.


Encampando a alteração já promovida pelo artigo 5º do Decreto nº 47.201/2020, estabeleceu-se como única atribuição da CPPDE a deliberação sobre os pedidos de enquadramento em incentivos fiscais condicionados e em incentivos financeiro-fiscais condicionados.


As decisões da Comissão acerca dos pedidos de enquadramento nos incentivos dependerão da aprovação da maioria simples dos membros da CPPDE, cabendo ao Presidente o voto de qualidade.


A deliberação feita pela CPPDE será subsidiada por relatório elaborado pela SEFAZ/RJ, no qual constará análise quanto ao cumprimento pelo postulante dos requisitos formais de enquadramento no incentivo.

Esse relatório deverá conter, dentre outras informações, (i) o valor dos investimentos previstos, (ii) a quantidade de empregos diretos gerados e/ou manutenção de empregos, (iii) a estimativa do impacto orçamentário-financeiro, (iv) a inovação social promovida e (v) a certidão de regularidade ambiental.


É importante destacar que o Decreto Estadual nº 47.618 determina que esse relatório contenha também estudo de impacto mercadológico, estimando a variação na atividade das outras empresas, bem como estimativa do impacto orçamentário-financeiro, que deverá ser feita para pelo menos 3 exercícios e conterá metodologia de cálculo.


O parecer final da CPPDE sobre o pedido de enquadramento no incentivo irá estimar a relação entre a ponderação dos efeitos socioeconômicos e a renúncia tributária prevista, servindo de base para análises futuras da viabilidade de manutenção do incentivo, bem como para revisá-lo em caso de não atingimento de metas.


No caso de indeferimento do pleito de enquadramento, caberá pedido de reexame da decisão no prazo de 90 dias contados da ciência do contribuinte, a qual se dará exclusivamente pelo Diário Oficial do Estado do Rio de Janeiro.


Cumpre salientar que o pedido de reexame apenas será cabível mediante a apresentação de informações e fatos novos pela empresa requerente, os quais justifiquem a mudança do entendimento em relação ao pleito negado.


Para mais esclarecimentos, colocamo-nos à disposição pelo e-mail olavo.leite@lllaw.com.br.